quem?

um blog pra 4.
(já foi pra 3, pra 5)
um blog pra quem?
começar um blog é ao mesmo tempo
entrar num movimento (nem tão) novo, talvez
no desejo de ser mais presente do presente,
e atirar no pé – desaparecer na informação da internet.
a aparição é o próprio movimento
de apagamento, talvez.

pra 4, mas pra quem?
primeiro o porquê,
melhor, pra quê.
nenhum de nós, ao que parece,
precisa compartilhar seu sofrimento matinal porque a pasta de dente acabou,
não precisamos contar como foi nosso
dia, a noite, a dor de dente, o clima, a guerra mundial, dourar pílula, apagar
pílulas, ou simplesmente pedir pra parar tudo
que eu quero descer.
mentira:
nós queremos isso sim, e não só precisamos;
nós queremos, mas não vamos;
ou até que vamos,
do nosso jeito.

por isso escamandro, o primeiro rio literário
(muito melhor que um rio de heráclito
em só-devir)
a dar uma sova num herói,
um rio de dois nomes,
divino – xanto –
humano – escamandro:
é claro que queremos o humano;
talvez cutucar os deuses,
epifaná-los.

poderíamos ter sido
quatro maluco no opalão –
soava descolado,
ganharia uma sigla descolada de “4mno”,
que ninguém entenderia, ninguém explicaria
(nós é que não).
talvez até fosse mais poético mais moderno mais cool.
mas pra que tanto poético
num blog de poesia?