Mônica de Aquino (1979—)

Mônica de Aquino (Belo Horizonte, 1979) publicou os livros Sístole (2005), Fundo Falso (2018) e Continuar a nascer (2019), além de cinco livros infantis. Com Fundo Falso, foi vencedora do Prêmio Cidade de Belo Horizonte e finalista do Prêmio Jabuti. Lança agora, pela Edições Macondo, Linha, labirinto, em que retoma o mito da Penélope e soma a sua voz à voz de outros artistas e poetas para a composição de um livro-coral.
O poema aqui publicado compõe a última parte do livro, “O mar carmim às vezes como fogo”, em que se propõe um trabalho de escrita e apropriação a partir de trechos de Ulysses, de James Joyce, retomando outra Penélope, Molly Bloom, personagem do romance.

* * *

O MAR CARMIM ÀS VEZES COMO FOGO

Sim
era ano bissexto como agora
no dia em que eu o levei a se declarar
primeiro
não quis responder logo só fiquei olhando para o mar
para o céu
o velho castelo velho de milênios
Sim
. . . . . . . .foi a única coisa verdadeira que ele me disse em sua vida
. . . . . . . . . . . . . . . . . . Sim
por isso me agradava
Sim . . . . . . . . . ele perguntou-me se
eu queria . . . . . .sim. . . . . dizer . . . . sim
e como ele me beijou eu pensei . . . . . . .sim . . . tanto faz
ele como outro
tanto faz dizer sim . . . .eu disse sim
. . . . . . . . . tanto faz ele e outro
sim . . . . .enquanto espero
Sim sim sim . . . . depois que você sai
e quando volta para que fique
sim
todos os homens ficam um pouco assim Leopold

Sim
é preciso tocar muitos homens para conhecer um homem
para escolher um ficar partir
e tanto faz um quanto outro . . . digo sim . . isso . . . sim
convido-o com os olhos a perguntar-me de novo
Sim isso isso . . . .me distraio

. . . . . . .lembro dele com aquele olhar vicioso decidido
. . . . . . .tinha de quase fechar os meus olhos
. . . . . . .na última vez que deixei ele acabar dentro de mim
bela invenção que se fez para as mulheres
. . . . . . .um buraco no meio
. . . . . . .montado
. . . . . . .dentro

. . . . . . .isso
. . . . . . .é tudo
. . . . . . .dentro
. . . . . . .eles querem
. . . . . . .se esvaziam
. . . . dentro dentro
. . . . . . .depois
. . . . . . .despeço
. . . . . . .a noite
. . . . . . .desfaço

ele nunca ia achar outra mulher como eu para aguentar
como eu faço
terrível torrente profundofluente

Uma flor da montanha. . . ele disse . . . . . . . . . .sim
isso. . . . . .certo. . . . . .como flores
todo o corpo da mulher
vi que ele sabia ou sentia o que era uma mulher

. . . . . . .e eu encorajando ele a se fazer pior do que ele é
. . . . . . .o que é que está na sua cabeça agora me diga quem
. . . . . . .isso . . . você está . . . pensando . . em quem
e assim . . . . . . . . eu não queria deixar ele saber
mais do que era necessário

sim sim sim e não se igualam
. . . . . . . . falar . . . .calar . . . .falar
. . . . . . . . . . . . . falo
sim isso para manter este . . . . . . . . . . . . . sim
para você eu queria isso . . . . . . . dizer sim
para que pudesse sentir

o mar carmim às vezes como fogo
o vigia rondando com sua lanterna
as tabernas semicerradas durante a noite

desfazem a partida que o dia trama

volta até a aurora e digo . . . . sim
para ele para eles para você
sim . . . . sim . . . . para que pudesse sentir
como pedir o desjejum na cama
meio adormecidos
o mar carmim às vezes como fogo
o velho castelo velho de milênios
pensando em tantas coisas que ele não sabia
poderia fazer dele sempre o que quisesse
. . . . . . .desde os tempos de Adão
não me conhece
. . . . . . .sou a esposa dele ou finjo

sim sim . . . . . . .ele diz sim
. . . . . . . . . . . . . . . . .espera . . . sim
sim . . . tanto faz
você como um outro
o vigia rondando a sentinela defronte à casa
e a noite em que perdemos o barco
com os meus pés na noite . . . . . . os olhos deles nos meus pés
espera . . . . . . .não espero o dia a volta
era ano bissexto como agora
isso . . . . .eu disse sim . . . . eu quero
. . . . . . . . . sims

(com James Joyce, Haroldo de Campos e Antônio Houaiss)