Pat Parker, por Stephanie Borges

pat parker

Pat Parker (1944-1989) nasceu em Houston, Texas, nos Estados Unidos. Filha de uma empregada doméstica e um borracheiro, cresceu num lar humilde. Terminou o ensino médio e mudou-se para Los Angeles. Graduou-se na LA City College e fez sua pós graduação na San Francisco State College. Começou a escrever poesia nos anos 1960, enquanto se envolveu com o movimento pelos Direitos Civis, a luta pelos direitos das mulheres e os direitos LGBT+.
Entre 1963-66 foi casada com o dramaturgo Ed Bullings e depois casou-se com Robert F. Parker com quem teve dois filhos, Cassidy Brown e Anastasia Dunham-Parker. No fim dos anos 1960 passou a se identificar como lésbica e contribuiu para criação do Black Women’s Revolutionary Council (Conselho de mulheres negras revolucionárias) e do Women’s Press Collective (Coletivo de imprensa das mulheres).
Participou de uma cena de poesia feminista na Bay Area, nos arredores de San Francisco, integrada por poetas como Judy Graham e Susan Griffin. Conheceu Audre Lorde por volta de 1974, com quem manteve uma amizade e uma correspondência esparsa até o fim de sua vida. Trabalhou no Feminist Women’s Health Center (Centro de saúde feminista) de Oakland, onde teve oportunidade de unir seu ativismo com o trabalho em prol da saúde das mulheres e contra a violência doméstica.

Sobre a tradutora

Stephanie Borges é jornalista, tradutora e poeta. Traduziu Olhares Negros: raça e representação e Tudo sobre o amor, de bell hooks; Irmã Outsider e Sou sua Irmã de Audre Lorde; e Um outro Brooklyn de Jacqueline Woodson. Seu livro de estreia Talvez precisemos de um nome para isso (2019) venceu o IV Prêmio Cepe Nacional de Literatura.

* * *

Para a pessoa branca que quer
saber como ser minha amiga

A primeira coisa a fazer é esquecer que eu sou negra.
A segunda é nunca esquecer que eu sou negra.

Você deveria ser capaz de curtir Aretha,
mas não a toque toda vez que eu aparecer.
E se você resolver tocar Beethoven — não me conte
a história da vida dele. Eles também nos fazem estudar
……………………………………………….[apreciação musical.

Coma soul food se você gosta, mas não espere que eu
indique os restaurantes especializados
ou faça essa comida para você.

Se alguma pessoa negra te insultar,
te atacar, estuprar sua irmã, estuprar você,
arrombar sua casa, ou só estiver sendo babaca —
por favor, não se desculpe comigo
por desejar infligir danos corporais a eles.
Isso me fará me perguntar se você é estúpida.

E mesmo que você realmente acredite que negros são melhores
……………………………………………………………………….[amantes que
os brancos — não me conte. Eu começarei a pensar em cobrar
………………………………………………………..[a taxa dos garanhões.

Em outras palavras — se você realmente quer ser
…………………………………………………[minha amiga — não
faça disso um trabalho. Eu sou preguiçosa. Lembra.

 

For the white person who wants
To know how to be my friend

The first thing you do is to forget that i’m Black.
Second, you must never forget that i’m Black.

You should be able to dig Aretha,
but don’t play her every time i come over.
And id you decide to play Beethoven — don’t tell me
his life story. They made us take music appreciation too.

Eat soul food if you like it, but don’t expect me
to locate your restaurant
or cook it for you.

And if some Black person insults you
mugs you, rapes your sister, rapes you,
rips your house, or just is being an ass —
please, don’t apologize to me
for wanting to do them bodily harm.
It makes me wonder if you’re foolish.

And ever if you really believe Black are better lovers than
Whites — don’t tell me. I start thinking of charging stud fee.

In other words — if you really want to be my friend — don’t
make a labor of it. I’m lazy. Remember.

§

Uma pequena contradição

É politicamente incorreto
…………..exigir relações
…………..monogâmicas —

é emocionalmente inseguro
buscar
……………….a posse
………………da alma de um outrem
…………………………ou corpo &
prejudicar a psique de alguém
restringindo o ato de dar e
receber amor.

Eu, eu sou
totalmente contra
relações monogâmicas
……………a menos que
……………Eu esteja
…………..apaixonada.

 

A Small Contradiction

It is politically incorrect
………………to demand monogamous
…………………………relationships —

It’s emotionally insecure
to seek
…………ownership of
another’s soul
……….or body …..&
damaging to one’s psyche
to restrict the giving and
…………….taking of love.

Me, i am
totally opposed to
monogamous relationships
…………..unless
…………..I’m
………….In love.

pat parker

Metamorfose

Você pega esses dedos
…………..oferece a eles suavidade —
…………..um toque aveludado
…………..para a sua boceta

Você pega esses braços
…………..oferece a eles flexibilidade
um casulo quente
para te proteger.

Você pega essa concha
……………oferece a ela plenitude
um cálice sensual
para se deitar com você

Você pega essa voz
…………..oferece a ela o canto
um pássaro sem gaiola
…………..para gorjear em sua honra.

Você me pega, amor
………….um esqueleto marinho
me enche com você
…………..& eu fico
grávida de amor
…………..dou à luz
à revolução.

Metamorphosis

you take these fingers
…………bid them soft —
a velvet touch
………..to your loins

you take these arms
…………..bid them pliant
a warm cocoon
……………to shield you

you take this shell
…………..bid it full
a sensual cup
……………..to lay with you

you take this voice
……………bid it sing
an uncaged bird
to warble your praise

you take me, love
……………..a sea skeleton
fill me with you
……………& i become
pregnant with love
…………..give birth
…………..to revolution

§

Da vida

Eu pensava que eu fosse um pardal,
seria livre para voar e viver;
eu descobri sobre o gavião.
Eu pensava que se eu fosse rica,
as coisas seriam do meu jeito,
então fiquei sabendo dos impostos.
Eu disse se eu fosse um homem…
Então eu aprendi.

Of Life

I though if i were a sparrow,
I’d be free to fly and live;
I found out about the Hawk.
I thought if I was rich,
Things would be my way,
Then I learned about taxes.
I said if I were a man…
Then I learned.