Lucas Rolim (1995-)

Lucas Rolim é poeta, editor independente e fez algumas traduções. Como poeta, lançou os livrinhos artesanais No Panorama do Tempo o Menino se Alarga (2015), Os Cantos de Eleanor (Selo Kizumba, 2017) e Terrário (Selo Kizumba, 2017). É colaborador do projeto Roda de Poesia Tensão, Tesão & Criação, participando ativamente do circuito artístico da cidade. Teve poemas e traduções publicados em revistas, jornais, sites e antologias. Nasceu em Teresina, onde habita e é habitado.. Os poemas “dois amantes & a metamorfose” e “pelas cercanias” pertencem ao livro O Mirábolo (ed. Moinhos, 2017). O poema “vejo melhor de olhos fechados” é inédito.

* * *

dois amantes
& a metamorfose

I
dois amantes marcham de muito longe
dentro da madrugada que os desafia

deixam suas terras danças e músicas
para se encontrarem no silêncio do deserto

um vem do ocidente que lhe diz
morrerás antes que o sol te acolha

outro desponta do oriente que o alerta
do deserto vieste e teu espírito é areia

a trilha que seguiram madrugada a fio
pertence agora ao Vento Leste – suas pegadas
foram extintas com a visita da noite que sopra.

II
frente a frente no seio das dunas
os amantes sabem que não há miragem
— que de carne e toque é feito o momento

para que a palavra do primeiro acenda
como fogo vivo nas orelhas do segundo

é preciso que se ergam defronte de si

mirando a esfinge que no outro habita
& volvendo ao que o sonho tornou real

desnudando o enigma & virando peixe
no mar que engole o deserto em sua
vertigem & mudez.

§

pelas cercanias

desiludidos,

cruzavam a espera
levando um mapa de ausências,
uma distância inquieta.

ruínas
e compulsões revisitadas.
desertos povoados novamente.

(as trilhas guiavam
a antigos hedonismos)

eles herdavam o sigilo
de seus quartos e recordavam
conversas aflitas.

em seus corpos
ardia a inscrição da noite:
os piores dos cegos. os piores dos cegos.

era tempo de saber
o paradeiro da angústia
e abrigar-se no conforto das conchas.

tempo de habitar
silêncios.

§

vejo melhor
de olhos fechados

quando o labirinto amansa
o caminho se revela com passos de água.

há uma nudez própria
a todas as coisas

e um nome ao qual tudo atende:

a ternura das árvores,
o ritual das rochas,
o calor do tempo batendo nos dias.

um nome rápido, que tudo diga:

a face iluminada das abelhas,
a lição de força dos pequenos insetos,
os seres em sua mais tenra forma.

quando o labirinto amansa
finalmente entendo:

não há dor na trajetória do sol.
a noite que aporta é violenta, mas gentil,
e abriga as coisas que também
se encontram na claridade cega.

o olho atento é seu hóspede inquieto.